Seja Bem Vindo!

Seja bem-vindo ao Blog Yoga das Grandes Sábias
conheça também o site do Mahavidya Yoga

www.yoga.fwmartes.com.br

23 de fevereiro de 2017

Libertem o Yoga



de Flávia Venturoli Miranda
fev/2017

Yoga tem como objetivo aquietar a mente e buscar o autoconhecimento libertador. A tradição cultural milenar do yoga usa incontáveis ferramentas para atingir esse objetivo, a saber: meditação, filosofia, fé, ética, estudo, dieta, controle respiratório, ceticismo, assentamento físico, higienização, canto, prece, voluntariado, ascetismo, jejum, relaxamento, peregrinação, retiro, etc. Não é possível limitar a descrição das atividades do yoga como apenas fisioterápica, nutricional, educação física, psicológica, filosófica, medicinal.

O trabalho do professor de yoga não é sintético, nem tão pouco analítico, contudo é prático. Precisa de tato para lidar com as inquietudes, incertezas e, ainda sim, não ser dogmático e sentencioso para com o aluno. Esse ofício envolve relacionamento e pesquisa. Afinal, o que traz paz a uma pessoa, não percorre o mesmo caminho para outro. É preciso lidar com as emoções, intuição, percepção, compaixão, sem misticismos e pregações. Conversão é imposição.  Professar o yoga é ter realizado em si o que a experiência dessa filosofia pode trazer ao outro. Yoga é um convite a um processo de autoconhecimento e nunca uma doutrinação. A sensibilidade de dar aula vem com a experiência em fazê-lo.

Sim. Professor de yoga ganha dinheiro. Como também paga pelo seu alimento, moradia, lazer e continuidade de seus estudos. Todo aquele que trabalha deve ser “valorizado” e respeitado. Crime é ser hipócrita quanto a renumeração.

Em nosso país, ter título impressiona, por isso é tão autoestimado ser Senhor de Engenho, Doutor, Mestre, Bacharel, Diplomado, “Você-sabe-com-quem-você-está-falando”, “Otoridade” e Medalhão (leia Machado de Assis). Dar uma “carteirada” vale mais do que ser o trabalhador com saber empírico do ofício e o quanto ele estudou realmente. O estudo em cursos profissionais auxilia, mas o diploma não garante o conhecimento. E o título, então? Aprender é preciso, estudar é indispensável, praticar é fundamental. Título é uma designação em um papel, tão somente.

A epidemia de regulamentação profissional assola o país. Por um lado, os políticos querendo votos e criando nichos de eleitores com promessas de soluções mágicas para trabalhadores. Por outro, as zilhões de profissões que querem o reconhecimento. Por outro, instituições querendo reservar o mercado, diminuir a demanda de profissionais e aumentar o valor do serviço, passando uma pseudo garantia de qualidade ao público através de cursos profissionalizantes rasos que apenas diplomam. Por fim, vêm as autarquias, ou seja, os conselhos profissionais, querendo tributar a licença e policiar.

Nas últimas décadas, com a perda do emprego, cresceu no país os subempregos, com miríades de trabalho informal, autônomo e de “nanoempresário-individual”. Com isso também apareceram oportunistas oferecendo segurança ao trabalhador e a sociedade, ao custo módico da “alma-vendida”. A regulamentação profissional não protege o publico, nem tão pouco os protege dos gananciosos conselhos profissionais.  A comodidade de esperar que legislem “para o povo” faz com que os profissionais não participem de suas entidades de classe, porque “vão resolver o problema pra nós”. A falta de articulação (por descrença, desinteresse ou desconhecimento) da classe trabalhadora, deixa aberta a porta para os ávidos arrancarem facilmente o dinheiro dos tolos criando regras e impostos em seus conselhos profissionais. Barra-se a entrada de trabalho pelo custo anual da licença de trabalho, sem que isso reverta em melhoria do serviço para o publico e para o trabalhador.

O yoga está na moda há algumas décadas, o que fez aparecer muitos projetos de lei querendo regulamentar e “aconselhar” a profissão. Relaciono os projetos de lei que achei até agora. Desses 7, declaradamente 6 foram propostos por uma mesma instituição.

  •  PL 4282/2016, do Dep. Fed. Carlos Bezerra (PMDB, MT)
  •  PL 3.204/2012 do Dep. Fed. Eliseu Padilha (PMDB, RS)
  • PL 2.548/2007 do Dep. Fed. Eliseu Padilha (PMDB, RS)
  • PL 1.773/2007 do Dep. Fed. Edson Aparecido (PSDB, SP)
  • PL 4.689/2001 do Dep. Fed. Aldo Rebelo (PCdoB, SP)
  • PL 741/2001 do Dep. ALESP Alberto “Turco Loco” Hiar (PSDB) - estadual
  • PL 708/1979 do Dep. Fed. Eloy Lenzi (PDT, RS);
É inconstitucional a excessiva regulamentação profissional que incida em abuso de direito. O Livre Exercício Profissional é garantido pela Constituição Federal 1988 Art. 5º XIII. Os casos especiais que requerem a regulamentação ocorrem quando, por interesse público sobre os de grupos, cria-se deveres sociais de proteção à coletividade. Ou seja, profissões que possam causar sério dano social e que requerem conhecimentos técnicos e científicos avançados.

A pluralidade do yoga, acumulada em mais de 2 milênios com linhagens e tradições diversas, não é condensável em um conjunto de regras fiscalizáveis.

Quem ganha com a legislação da profissão? A sociedade com certeza não. A concorrência livre autorrestringe os maus profissionais, pois a liberdade de escolha do consumidor retira do mercado os ineptos. Os monopólios de diplomas e burocracias atendem especialmente à corrupção e ao corporativismo (“criar dificuldade para vender facilidade”). A livre iniciativa e concorrência abaixa o custo do serviço, oferece mais profissionais ao público e dá emprego a quem realmente trabalha.

Há uma fantasia de que o yoga regulamentado abrirá frente de trabalho em instituições privadas e públicas. Empresas tem o direito de escolher os parâmetros para selecionar seus profissionais. Assim, podem escolher um profissional de notório saber ao invés de um acadêmico (desde que não haja impedimento legal e técnico). Se a qualificação desejada pela empresa for de um lavador de carro com formação em universidade, não haverá regulamentação de profissão que impedirá de fazê-lo diferente. Mesmo para as profissões que requerem conhecimentos elaborados, há margem para empresas selecionarem por infindáveis outros parâmetros como ter várias formações acadêmicas, falar mais de um idioma, disponibilidade de viajar, ter habilitação para dirigir etc.

Outros órgãos públicos tem como base a CBO – Classificação Brasileira de Ocupações, que é por sua vez determinada pela CNAE – Classificação Nacional de Atividades Econômicas. Essa última baseia-se na classificação da ONU – ISIC - International Standard Industrial Classification of All Economic Activities, que infelizmente classifica yoga como atividades de condicionamento físico. Seria preciso mudar a classificação na ONU do ISIC para mudarmos a CNAE e a CBO, e assim não sermos mais assediados. Ah.... yoga não consta da CBO.

Por isso, a regulamentação da profissão não protege o professor de yoga quando a PNPIC – Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares do SUS (MS portaria 145 de 11/01/2017) decide que, para atender a população em sessões de meditação é preciso ter uma das profissões escolhidas e listadas naquela portaria.  Aliás, apenas as profissões com a classificação na CBO que podem atuar nessa portaria, por exemplo: médico, dentista, farmacêutico, enfermeiro, nutricionista, psicólogo, visitador sanitário, etc etc etc.

As grandes agências regulamentadoras vêm crescendo os olhos para o yoga, como fizeram com a acupuntura. Eles estão há meio século legislando em causa própria. Os profissionais de yoga não tem experiência na luta política de classe, por isso estamos apanhando feio nesse campo de batalha. E não há dharma suficiente para nos igualarmos a essas grandes organizações. Contudo podemos voltar à premissa de reeditar o PL 1371/2007 da Dep. Fed. Alice Portugal que exclui o yoga (e outros) da fiscalização do Conselho Federal e Regional de Educação Física. Essa é uma batalha exequível.

É triste ver que o yoga está sendo mutilado no mundo todo, com regulamentações legais, patente de asanas, a sílaba sagrada Om, que vira marca registrada, dia do yoga personalizado de falsos mestres, yoga olímpico. O ataque cultural é tão grande que a própria Índia para defender seu patrimônio cultural, criou um “ministério do yoga”. O Ministério de AYUSH – Ayurveda, Yoga & Naturopatia, Unani, Siddha e Homoeopatia visa divulgar esses tratamentos, que lhe dão o nome, e proteger essas tradições para que não se percam consumidas pela ganância estrangeira.

Contudo, os desdobramentos da burocracia levou a Índia a criar o QCI – Quality Council of India com uma certificação voluntária de profissionais de yoga, Scheme for Voluntary Certification of Yoga Professionals, que é gerido pela IYA - Indian Yoga Association. Na verdade há tanto a certificação profissional como a de escola de yoga.

A certificação de profissionais de yoga do ministério da Índia visa promover uniformidade na implementação de PrCB – Personnel Certificacion Bodies, e do NABCB – National Acrreditaion Board for Certificarion Bodies com o ISO 17024 (no Brasil é o ABNT NBR ISO/IEC 17024:2013 - Avaliação da conformidade — Requisitos gerais para organismos que certificam pessoas).

A certificação voluntária de profissional do yoga do Ministério do AYUSH ainda está no começo. A exigência de conhecimentos práticos e teóricos do yoga para prestar a prova é muito boa, mas não amplia o suficiente a ponto de cobrir todas as tradições do yoga.  Por enquanto, a IYA que aplica a avaliação, só cobre 15 instituições de yoga (outras 15 estão em processo), o que certamente não abrange todo espectro do yoga. Outra questão excrescente da certificação são os níveis dos profissionais: instrutor, professor, mestre, guru/acharya. A avaliação continua é interessante, mas a titulação não.

Enfim, no mundo todo, estão tentando adequar o yoga aos novos tempos, enquanto eu continuo buscando a libertação do yoga livre.

_____________________________________________________________________________

http://direitostrabalhistas.blogspot.com.br/2009/04/o-diploma-como-reserva-de-mercado.html
http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=271
http://bd.camara.gov.br/bd/handle/bdcamara/1714
http://sindicalizi.com.br/blog/qual-a-diferenca-entre-sindicato-e-associacao-profissional/

23 de setembro de 2016

Workshop Dasha Mahavidya

AS DEUSAS MAHAVIDYAS E A SABEDORIA FEMININA

por Flávia Venturoli Miranda

Workshop sobre as Dasha Mahavidya oferecido pelo Núcleo SOMA
Data: 15 de outubro de 2016 (9:00 às 16:30h)
Valor: R$ 180,00

As faces da feminilidade através de 10 deusas conhecidas como as Grande Sábias, Mahavidya. O poder, shakti, personificado em características complexas na mitologia de deusa ora bela e radiantes ora terríveis e assustadoras, que abrange as diferentes fases e humores da mulher. Desde a adolescente Shodashi, passando pela madura Lalita e a idosa Bhairavi. Aspectos complexos das Devis acolhedoras, furiosas, sensuais, decadentes que expressam as grandes forças cósmicas.

Flávia Venturoli Miranda é professora de yoga desde 1992. Adora textos clássicos e mitologia da Índia. Abriu sua escola de yoga no Ipiranga em 2006 que se chama Mahavidya Yoga. (www.yoga.fwmartes.com.br)

Informações e Inscrição: (11) 3473-0150
www.devie.com.br

31 de maio de 2016

Freud sobre Yoga

Sigmund Freud
de Sigmund Freud, no livro Civilization and Its Discontents

‘Eu posso imaginar que o sentimento oceânico tornou-se ligado com a religião tardiamente. A "unidade com o universo", que constitui o seu conteúdo ideacional soa como uma primeira tentativa de consolo religioso, como se fosse outra forma de recusa do perigo que o ego reconhece como ameaça a ele do mundo exterior. Vou admitir mais uma vez que é muito difícil para eu trabalhar com estas quantidades quase intangíveis. Outro amigo meu, cujo desejo insaciável de conhecimento alimentou-o a fazer as experiências mais incomuns e acabou dando-lhe conhecimento enciclopédico, assegurou-me que através das práticas de Yoga, ao retirar-se do mundo, fixando a atenção sobre funções corporais e por métodos peculiares de respiração, pode-se, de fato, evocar novas sensações e
cenestesia em si mesmo, que ele considera como regressões aos estados primordiais da mente que têm há muito sido sobrepostas. Ele vê neles uma base fisiológica, por assim dizer, de grande parte da sabedoria do misticismo. Não seria difícil encontrar conexões aqui com um número de modificações obscuros da vida mental, como transes e êxtases. Mas eu sou movido a exclamar nas palavras de mergulhador de Schiller:
... Es freue sich,                                 'Regozije-se
Wer da atmet im rosigten Licht.        que aqui se respira à luz rósea!'
                                 Schiller, Der Taucher '


tradução do site http://freudquotes.blogspot.com.br/2016/05/freud-on-yoga.html